0

DANÇA DE RUA BRASIL Na tarde de sábado, enquanto o coreógrafo Nilberto Lima de Souza ajeitava as caixas de som na Escola de Ensino Médio Governador Celso Ramos, a professora Juliana Crestani ensaiava com a Companhia Joinvilense de Dança de Rua C.R. Crew na Casa da Cultura. Longe dali, Fabio Martelo e Malcolm promoviam mais um dia do Hip Hop Social (HHS) com adolescentes do Jardim Paraíso, em Joinville. Iniciativas como essas podem ajudar Joinville se tornar a cidade da dança o ano interio não só durante o Festival de Dança.


Uma causa da cidade abraçada por A Notícia. Os quatro elementos do hip hop unem os três projetos e são instrumentos para reforçar o caráter dos jovens e livrá-los dos problemas sociais. Do subúrbio de Nova York para as ruas de Joinville, o hip hop se despe do preconceito e da crítica social para ganhar força como movimento cultural.


— O hip hop surgiu para que as gangues parassem de brigar e resolvessem sua situação numa batalha de dança. É um movimento que trabalha com cidadania e valores — explica Nilberto.


À frente do grupo Fúria das Ruas, da Escola Governador Celso Ramos, Nil coleciona três títulos do Festival de Dança de Joinville na modalidade dança de rua avançado. Mas é nos sábados, com os jovens do projeto, que ele realmente se encontra.


— O grupo já nasceu com essa intenção de ser social — explica o coreógrafo.


Nil chega logo cedo, antes das sete horas. De tarde, a companhia dos quase 90 jovens que participam do projeto não o deixavam quieto. Ele só vai embora de noite, após o ensaio com o grupo avançado do Fúrias das Ruas. O braço direito de Nil é a coordenadora do projeto, Janete Coelho de Souza.


— Fazemos um trabalho voluntário. A maioria dos alunos são bolsistas e não pagam mensalidade, então o pouco que arrecadamos é pra comprar gasolina para buscar os equipamentos e a comida — salienta.


O reforço do Fúria das Ruas vem da direção da Escola Celso Ramos e da Associação dos Pais e Professores. A mesma intenção levou Juliana Crestani a criar a Casa do Hip Hop Arte Inclusiva (CHHAI), em março de 2004. A rotina é parecida com a da Nil: praticamente todos os sábados são dedicados às aulas gratuitas e oficinas.


— Quem quiser, é só chegar aqui. Tem participante que faz aula de violino na Casa da Cultura e tem quem vem de bicicleta do Itinga — salienta.


As aulas de grafite, MC’s, DJ e dança urbana são frequentadas por crianças de cinco anos até adultos com mais de 30 anos. Em cinco anos, mais de três mil pessoas já participaram da CHHAI, incluindo o projeto de dança inclusiva para cadeirantes, o grupo de grafiteiros Kaos Crew e o grupo C.R. Crew.


No Jardim Paraíso, o Hip Hop Social dá seus primeiros passos. O projeto tem a chancela de duas feras do hip hop em Joinville, MC Malcolm, integrante do grupo 5º Elemento, e Fabio Martelo, fundador do Conexão Break-Style. O HHS começou há quase dois anos, e desde o início de 2009 promove seus encontros no CEI Recanto dos Querubins, atendendo cerca de 30 adolescentes.


— A maioria são estudantes e alguns trabalham para ajudara família. Então serve também como entretenimento para eles — informa o MC Malcolm.


CONHEÇA OS PROJETOS
Grupo Fúrias das Ruas
Sábados, às 10 horas, na Escola Governador Celso Ramos, rua Doutor Plácido Olímpio de Oliveira, 400. Informações: (47)3455-5062



Casa do Hip Hop
Sábados, às 16 horas, na Casa da Cultura Fausto Rocha Júnior, rua Dona Francisca, 800. Informações: (47)9961-2761



Hip Hop Social no Jardim Paraíso
Sábados, a partir das 15 horas, no CEI Recanto dos Querubins, rua Apus, 1029. Informações: (47)9602-6854

Postar um comentário Blogger

Às vezes alguns dos servidores do RapidShare podem ficar fora do ar ou em manutenção, basta fazer download em outro horário ou tentar outros servidores. Para saber se o link esta quebrado Clique Aqui.

Para postar um comentário escolha a Opção Conta Google ou Nome/URL, logo coloque seu Nome e cole o Url acima ou um de sua preferência.
Comentários ANÔNIMOS não serão levados em consideração.

 
Top