0

DANÇA DE RUA BRASIL Fabiano Lopes, ou melhor, Neguin, 21 anos, fez da dança de rua a sua grande inspiração para construir uma carreira repleta de conquistas e com espaço também para a solidariedade. O paranaense vai repre­sentar o Brasil em Nova Iorque.


Itajaí (SC) - Bastou um vídeo na internet para que a vida de Fabiano Lopes, 21 anos, natural de Cascavel, no interior do Paraná, mudasse completamente. O ano era 2002 e o tal vídeo mostrava um bando de malucos dançando e fazendo piruetas absurdas ao som de batidões hip-hop. Tarde demais: o breakdance – dança de rua surgida nos EUA e conhecida também como breaking dance, break, b-boy ou b-boying – havia arrebatado mais um jovem coração.


O tempo passou e Fabiano, ou melhor, Neguin (www.myspace.com/bboyneguin), como passou a ser conhecido internacionalmente, tornou-se um dos principais nomes do break no planeta. No próximo dia 18, ele disputa com outros 15 b-boys (como são chamados os dançarinos), de diversos países, o Red Bull BC One 2009 (www.redbullbcone.com). O campeonato, que vai rolar em Nova York (EUA), reúne a nata mundial da modalidade.


Antes que o fera embarcasse para os EUA, a Gazetinha desceu a serra e foi até Itajaí, no litoral de Santa Catarina, cidade em que o artista mora atualmente e onde também dá aulas de break em um projeto social. “Como sou professor, já conhecia aqui o Sul. Comecei a namorar, me interessar pela cidade e pela galera daqui”, conta Neguin. A hoje esposa dele, Suzana Cristina Amaral, 23, nasceu na cidade catarinense e também ensina dança.


Capoeira



Caçula de uma família de 4 irmãos, Neguin começou a fazer capoeira aos 6 anos. Quando trocou a arte africana pelo break, incorporou-a ao seu estilo de dança. “O importante é você criar algo que o mundo não saiba fazer. O mais difícil é adquirir técnica e ter criatividade”, explica o rapaz, ao falar sobre os diferenciais dos grandes b-boys. Mas a dança exige igualmente um bom preparo físico, diga-se de passagem.


Além de capoeira, Neguin já praticou jiu-jitsu, skate e patins. Aprendeu inglês na prática – já foi a quase 20 países –, é grafiteiro e atualmente faz curso de DJ. Participou de comerciais, programas de tevê e ainda por cima mantém, em São Paulo, o Tsunami All Stars Crew – um dos principais grupos de breakdance do país.


Com uma carreira tão bem-sucedida, Neguin só reclama da falta de bons patrocinadores no país. “O break é uma arte universal. Mesmo assim, aqui sofre uma discriminação muito grande. Mas ao menos hoje há mais apoio da mídia”, conclui.

Postar um comentário Blogger

Às vezes alguns dos servidores do RapidShare podem ficar fora do ar ou em manutenção, basta fazer download em outro horário ou tentar outros servidores. Para saber se o link esta quebrado Clique Aqui.

Para postar um comentário escolha a Opção Conta Google ou Nome/URL, logo coloque seu Nome e cole o Url acima ou um de sua preferência.
Comentários ANÔNIMOS não serão levados em consideração.

 
Top